0 comentários adventure

1 – Podemos dizer que, alugar um motorhome no Brasil ainda é algo raro. Conte para nossos leitores, o que os levaram para buscar o aluguel de um veículo desse porte?

Queríamos muito ter a experiência de fazer uma viagem em família em um MH, já que nossos filhos adolescentes logo estariam com seus tempos comprometidos. Desta forma, saímos em busca do aluguel e aí sentimos sim a dificuldade em conseguir um carro.


Realmente a oferta de MH no Brasil é algo escasso, enquanto a procura é alta. A compra de um MH é um investimento alto e é muito mais seguro após uma experiência, que se dá através da locação.

 

2 – Houve dificuldade em encontrar uma empresa de aluguel desse tipo de veículo?

Sim, há um ano quando pensamos em fazer essa viagem, sentimos muita dificuldade em achar locações. Pesquisamos muito e na época as opções eram muito poucas e sem disponibilidade na categoria que queríamos (classe C). Foi quando descobrimos muito perto de nós, a Trailemar que estava lançando um classe C para locação.


Hoje estão aparecendo mais oportunidades, mas a disponibilidade ainda é baixa devido à grande procura, portanto, você tem que se programar com muito tempo de antecedência.

 

3 – Por ser uma novidade, gostaria que falassem um pouco de como funcionou o processo, desde o primeiro contato ao envio de documentos. Como foi a experiência de alugar um motorhome?

Quando descobrimos que a Trailemar estava fazendo locação, entramos em contato e já reservamos o classe C para nossa viagem de final de ano. O processo foi muito fácil, uma entrada e o saldo parcelado. A documentação exigida de nós foi a de qualquer tipo de locação, pois a exigência de CNH categoria B facilita muito. Ao retirar o motorhome, pegamos os documentos de viagem todos prontos, inclusive toda a documentação de fronteiras. A relação com a empresa foi incrível, pois nos passaram muita confiança e disponibilidade em sanar nossas dúvidas e passar as orientações. Enfim, foi um processo muito tranquilo e ágil.

 

4 – Vocês já eram familiarizados com esse tipo de veículo? Fale um pouco a respeito do motorhome que alugaram?

Por ser uma paixão, já tínhamos frequentado feiras, visto modelos e como funciona um MH. O nosso carro era o tamanho ideal para nós, adequado para o nosso objetivo, muito bem equipado e perfeito para a nossa viagem.
Alugamos uma Sprinter 515 (rodado duplo) nova e muito bem equipada.

Tinha espaço de sobra e como estávamos em 4 pessoas, foi ainda mais tranquilo, pois a capacidade é para 6 pessoas. De toda forma, um classe C é para se viajar com cuidados, pois é um veículo mais largo e alto, mas sem muito seguro. Andamos dentro de Santiago, Buenos Aires e Montevidéu, com facilidade, inclusive a travessia com o Buquebus entre Buenos Aires e Colonia del Sacramento no Uruguai.

 

5 – Alugaram o equipamento por quanto tempo e quais foram os planos para ele? Existe ou existiu alguma rota especifica ou apenas algumas cidades?

Foram 30 dias e 8.500 km. Tudo planejado nos mínimos detalhes, pois o planejamento além de uma tarefa prazerosa, é de suma importância para minorizar possíveis imprevistos. Pesquisamos muito sobre as fronteiras, as melhores estradas, postos de abastecimento, locais para pernoitar, estávamos munidos de mapas, GPS, etc.


De Curitiba fomos ao Atacama, que era nosso principal destino. A partir daí, descemos pela costa do Oceano Pacífico até Viña del Mar, depois Santiago, Mendoza, Buenos Aires, litoral do Uruguai e retorno pelo litoral do Brasil até Curitiba.

 

6 – Vamos falar um pouco sobre a viagem? Nos fale: como foi a experiência, para onde foram?

Uma viagem completamente diferente, primeiro porque não existe o compromisso com horários, aeroportos, traslados, etc. Gostávamos de algum lugar, ficávamos, não gostávamos, partíamos, liberdade é a melhor palavra que traduz essa experiência.


Foi incrível atravessar a cordilheira saindo de Purmamarca em direção a San Pedro de Atacama pelo paso Jama, os passeios no Atacama, a descida ao sul pela costa do Oceano Pacifico, novamente a passagem da cordilheira entre Santiago e Mendoza. Atravessamos a Bacia do Rio da Prata entre Buenos Aires e Uruguai pelo Buquebus, chegando em Colonia del Sacramento. Curtimos muito também as praias do Uruguai e até do Brasil no final da viagem.


Aconteceram alguns imprevistos que foram facilmente sanados, mas simplesmente os vários dias na estrada também foram um prazer. Nos deslocamentos de grande duração, revezávamos a direção de hora em hora e ninguém ficava cansado ao final do dia.

 

7 – E para encerrar, mande alguma mensagem para nossos leitores ou fale um pouco de como está sendo a experiência de estar alugando uma casa sobre rodas.

Somos um casal com dois filhos (18 e 23 anos) e a experiência desse tipo de viagem em família foi uma das melhores coisas que fizemos na vida. Temos muitas saudades até hoje dos grandes momentos que passamos no motorhome. Sabemos que devido à idade dos filhos, dificilmente ficaremos mais 30 dias juntos e falamos a todos que façam com os filhos novos, pois a experiência para eles é incrível.


Com essa experiência, nossa idéia agora é locarmos mais vezes, inclusive fora do país, onde a oferta de locação é muito grande e essa cultura já é bastante arraigada. Esse mercado no Brasil ainda deve crescer muito, pois pelas redes sociais percebemos a grande procura por locação. Também, como no exterior a locação já é uma atividade comum, acreditamos que teríamos uma boa procura por turistas estrangeiros aqui também.


Ouvimos vários questionamentos sobre a segurança ao pernoitar com o MH. Em nossa viagem, ficamos em campings, postos de gasolina, praia e até via pública e por incrível que pareça, não sentimos insegurança em nenhum local.

Artigos Recentes